No último post aprendemos a deliciosa receita de Doritos Caseiro com Guacamole. Agora veremos alguns mitos e verdades sobre o GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), usado em residências e indústrias.

Você já imaginou se seu desodorante de spray explodisse quando você estivesse usando? Sabia que dentro dele há gases butano e propano, os mesmos utilizados nos botijões de cozinha? Não acredita? Então leia o rótulo de ingredientes do seu desodorante (se for spray é claro). O Propano e Butano são usados para expulsar o produto (perfume) do tubo causando o spray. Pois é, mas não se preocupe que seu desodorante não vai explodir, exceto se você jogar o tubo em uma fogueira. Ou seja, o uso correto do desodorante e do botijão de gás é fundamental para se evitar acidentes.

Há muitos mitos em relação ao GLP, conhecido popularmente como gás de cozinha. O mais forte e, ao mesmo tempo, com menos razão para existir é o da suposta insegurança. Equivocadamente, quando ocorrem acidentes com o uso do produto, alguns veículos de comunicação informam que a causa foi a “explosão do botijão” e a ideia de que o botijão explode acabou sendo sedimentada na cabeça do consumidor. O fato é que o botijão é seguro e não explode. A prova cabal é que ele pode ser instalado e funcionar com total segurança ao lado de um fogão aceso, proeza inimaginável para outros combustíveis.

Como qualquer produto inflamável, o GLP requer cuidados em um grau similar aos que devem ser tomados com a rede elétrica e as tomadas que existem em uma casa. Nada diferente dos cuidados, por exemplo, que os usuários de gás natural precisam ter. Especificamente em relação aos seus concorrentes diretos, o GLP não apresenta diferenças no quesito segurança. Produtos inflamáveis requerem a observação de regras simples. Não tem embasamento técnico a afirmação, por exemplo, de que o gás natural é mais seguro que o GLP.

Porque e Como Acontece Uma Explosão de Gás?

Se você encher um balão de ar demasiadamente ele rompe e estoura. Porque a pressão foi superior a que o balão aguentava, pois a quantidade de ar que você colocou ao encher foi acima da capacidade prevista para o balão.

Em um vazamento de GLP o gás em seu estado gasoso preenche o ambiente (se não for ventilado e assim reter o gás), ao encontrar uma fonte de ignição (chama, fagulha, etc.) ele queima e imediatamente se expande causando a explosão em milésimos de segundos. Como consequência concomitante há um enorme deslocamento de ar destruindo tudo a sua volta. Quanto maior for a quantidade de gás e menor o confinamento do mesmo, maior será a pressão da explosão e do deslocamento de ar.

A queima do GLP chega a mais de 1.000° C se extinguindo em milésimos de segundos transformando-se em monóxido de carbono (CO). Esse fenômeno se chama FLASH, e mata todas as pessoas em contato com essa onda de calor.

Entendendo os Botijões de Gás

Existem tipos diferentes de botijão em razão da capacidade de gás que carregam, conforme tabela abaixo:

Botijão

Volume de GLP

GLP Kg

Uso mais comum

Norma da Válvula

P-13 31,5 litros 13 kg Uso doméstico para cozimento de alimentos NBR 8614
P-20 48,0 litros 20 kg Exclusivo em empilhadeiras a GLP NBR 14536
P-45 108,0 litros 45 kg Doméstico e industrial (cozimento de alimentos, aquecimento, fundição, soldas, etc) NBR 13794

 

Dentro do Botijão tem GLP, que significa Gás Liquefeito de Petróleo, que são os gases derivados do refino do petróleo. Existem dois gases dominantes dentro do botijão, o Propano e o Butano. Ambos são mais pesados que o ar. Como assim? O ar pesa 1,293Kg/m³, o Butano pesa 2,709Kg/m³ e o Propano pesa 2,010Kg/m³ todos nas condições normais de temperatura e pressão.

Observação importante: O gás natural ao contrário é mais leve que o ar, pesa entre 700 gramas e 1Kg /m³. Isso explica que vazamentos de gás canalizado sobem e ficam retidos no teto, precisam de ventilação na parte mais elevada de onde se encontram. O gás de butijão (GLP), ao contrário, é mais pesado que o ar e seu vazamento fica preso em porões e sub-solos.

O Propano é mais leve que o Butano e provoca aquela chama azul característica, por isso ele sai antes do Butijão e queima primeiro. O Butano é mais pesado e queima por último. Por transportar partículas que se depositam no fundo no botijão, sua chama é amarelada ou “suja”. Por isso, quando a chama do fogão começa a ficar amarela é sinal de que o gás está acabando.

Desfazendo Mitos: Botijão de GLP Não Explode!

Para dar bastante gás no Botijão, o GLP é engarrafado no Botijão sob forte pressão, o que faz com que o gás se torne líquido. Mas essa pressão não faz o Botijão explodir? Não, porque o Botijão é feito de chapas de aço muito resistentes que agüentam 15 kgf/cm2, enquanto o GLP é colocado na pressão de aproximadamente 8Kgf/cm² suficientes para liquefazer o gás mas muito abaixo do que suporta o Botijão.

No botijão de gás de 13kg (Botijão de cozinha), cerca de 85% do gás está em estado líquido e 15% em estado gasoso. Por isso nunca se deve deitar o botijão de gás, pois se o gás em fase líquida for expelido (o GLP líquido não pode alcançar a válvula no topo do Botijão) poderá provocar acidentes muito sérios.

No caso do Restaurante Filé Carioca, vimos pelas imagens os Botijões sendo retirados pelos bombeiros intactos. O prédio destruiu mas o Botijão permaneceu inteiro. Ou seja, ele não explode. Apenas se houver um incêndio que aqueça o Botijão, o calor do ambiente ou das chamas aquecerá o gás dentro do Botijão aumentando a sua pressão interna. Com isso a válvula de segurança (que impede o Botijão de explodir) irá liberar o gás no ambiente alimentando o incêndio. Semelhante a válvula da panela de pressão. Em suma, Botijão não explode nem em um incêndio.

Entendendo os Vazamentos

O GLP não tem cheiro, por isso um composto a base de enxofre (etil-mercaptana) é adicionado ao gás para revelar a sua presença caso haja vazamento. O GLP não é venenoso, mas é asfixiante. Por ser mais pesado que o ar, quando há vazamento de GLP num local fechado este vai se acumulando ao nível do chão e expulsa gradualmente o oxigênio do ambiente, causando asfixia em quem permanecer ali. Logo, Botijão com vazamento precisa ser removido para um local aberto.

Se o Botijão sua ou congela é por que estamos tentando retirar dele mais do que ele consegue entregar de gás por hora. E quanto mais ele sua ou congela, menos ele entrega de gás. Pois o gás precisa trocar calor para sair do estado líquido para gasoso.

Em suma, muita gente por ignorância não dimensiona adequadamente o Botijão às necessidades dos aparelhos (fornos e fogões) que a ele estão conectados. Com isso, o resultado de queima é insatisfatório, e o desperdício de gás é alto, fazendo com que os usuários desavisados ou “espertos” comecem com as suas gambiarras, deitando o Botijão, aquecendo a parede do Botijão, etc. A ignorância pelo uso correto está no início do dominó do acidente com gás e suas mortes.

Como Verificar e o que Fazer em Casos de Vazamentos

Ao passar uma esponja com água e sabão sobre a conexão da borboleta do registro com a válvula do Botijão, você poderá observar a existência ou não de bolhas de ar na espuma. Outra forma é verificando a existência de chiado de escapamento ou a presença de cheiro característico (enxofre) do gás no ambiente. Nunca use fósforo ou qualquer tipo de chama para verificar se há vazamentos. Isso pode provocar graves acidentes.

Em Caso de Vazamento de Gás, Como Proceder?

  • Abra portas e janelas para aumentar a ventilação;
  • Não ligue nem desligue qualquer equipamento elétrico ou interruptores evitando faíscas ou centelhas;
  • No caso de persistir o vazamento desatarraxe a rosca do regulador, e solicite a presença da Assistência Técnica da Rescaroli.

Aprendendo a lidar com Botijão de GLP

Jamais deitar o Botijão, jamais aquecer ou colocar fogo sob o Botijão, jamais transportar o Botijão deitado ou em ambientes fechados. Observe e siga as instruções corretas de instalação, e sempre teste com sabão eventuais vazamentos de gás. Ao terminar de cozinhar sempre feche a válvula do Botijão.

Mangueiras

A mangueira a ser usada deve ser aquela normatizada, feita de plástico (PVC) transparente, com uma tarja amarela onde estão gravados o prazo de validade (5 anos) e o código NBR-8613, uma garantia de que foi fabricado segundo padrões técnicos de segurança. Esta mangueira é a recomendação básica, porém, outra de melhor qualidade também pode ser utilizada, como por exemplo, a mangueira de tramas de aço.

O comprimento máximo da mangueira é de 1,25 metros, conforme determina a norma NBR-8613. A mangueira não pode encostar-se ao fogão, não pode ser aquecida, não devendo, portanto passar por trás do fogão.

Válvulas Reguladoras de Gás

O regulador de gás é popularmente conhecido, principalmente, pelas donas de casa, como click, peça que se usa para abrir e fechar a passagem do gás de cozinha e que conecta a mangueira ao Botijão.

O gás liquefeito de petróleo (GLP) é colocado sob alta pressão no Botijão e considerando que o gás está sob alta pressão, o regulador é fundamental para reduzir a pressão da chama em até 250 vezes, possibilitando uma chama constante e uniforme.

O regulador de pressão para Botijões de até 13 kg é normatizado pela NBR 8614, já o P45 exige um regulador mais potente sendo normatizado pela NBR 13794. Portanto, jamais aproveite instalações antes usadas no P13 para o P45, este é um erro muito comum.

Fonte: segurado.com.br

Gás de Cozinha em Itajaí / Santa Catarina

O melhor gás para a sua casa é o da Supergasbras, fornecido pela Rescaroli. O famoso botijão de 13 kg possui combustão controlada e excelente poder calorífico, o que significa mais agilidade para esquentar e cozinhar alimentos.

Não fique na dúvida, gás para Cozinha em Itajaí, Balneário Camboriú e Navegantes é Rescaroli, é Supergasbras! Peça pelo site clicando no botão abaixo.